Sertralina Labesfal 100 mg Comprimidos

Para que serve folheto informativo, informação para o utilizador

Folheto / Bula do Medicamento


Recomendações

  • Sempre verifique que não é alérgica a nenhum dos componentes
  • Lembre-se, sempre verifique com seu médico, a informação que nós oferecemos é indicativa e não de forma alguma substituir a de seu médico ou outro profissional de saúde.




FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR
Sertralina Labesfal 50 mg comprimidos revestidos por película
Sertralina Labesfal 100 mg comprimidos revestidos por película
Sertralina
Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento.
Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler.
Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico.
Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode
ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas.
Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários
não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.
Neste folheto:
1.O que é Sertralina Labesfal e para que é utilizado.
2.Antes de tomar Sertralina Labesfal.
3.Como tomar Sertralina Labesfal.
4.Efeitos secundários possíveis.
5.Como conservar Sertralina Labesfal.
6.Outras informações.
1.O QUE É SERTRALINA LABESFAL E PARA QUE É UTILIZADO
Sertralina Labesfal contém a substância activa sertralina. A sertralina pertence a um
grupo de medicamentos denominados Inibidores Selectivos da Recaptação da
Serotonina (ISRSs); estes medicamentos são utilizados para tratar a depressão e/ou
perturbações de ansiedade.
Sertralina Labesfal pode ser utilizado para tratar:
Depressão e prevenção da recorrência da depressão (em adultos).
Perturbação de ansiedade social (em adultos).
Perturbação de stress pós-traumático (PTSD) (em adultos).
Perturbação de pânico (em adultos).
Perturbação obsessiva-compulsiva (POC) (em adultos e crianças e adolescentes com 6-
17 anos de idade).
A depressão é uma condição clínica com sintomas como sentimento de tristeza,
incapacidade de dormir correctamente ou de apreciar a vida como costumava.
A POC e a perturbação de pânico são doenças associadas a ansiedade com sintomas
como sentimento de constante incómodo por ideias persistentes (obsessões) que o levam
a desempenhar rituais repetitivos (compulsões).



A PTSD é uma condição que pode ocorrer após uma experiência emocional muito
traumática e apresenta alguns sintomas que são similares a depressão e ansiedade. A
perturbação de ansiedade social (fobia social) é uma doença associada à ansiedade. É
caracterizada por sensações de ansiedade intensa ou nervosismo em situações sociais
(por exemplo: falar com estranhos, falar à frente de grupos de pessoas, comer ou beber à
frente de outros ou receio de poder comportar-se de maneira embaraçosa).
O seu médico decidiu que este medicamento é indicado para tratar a sua doença.
Deve consultar o seu médico caso tenha dúvidas quanto ao motivo da prescrição de
Sertralina Labesfal.

2.ANTES DE TOMAR Sertralina Labesfal
Não tome Sertralina Labesfal
Se tem alergia (hipersensibilidade) à sertralina ou a qualquer outro componente de
Sertralina Labesfal.
Se está a tomar, ou tomou, medicamentos denominados inibidores da monoaminoxidase
(IMAOs como selegilina, moclobemida) ou fármacos semelhantes aos IMAOs (como
linezolida). Se parar o tratamento com sertralina, deve esperar, pelo menos, uma semana
antes de iniciar o tratamento com um IMAO. Após parar o tratamento com um IMAO,
deve esperar, pelo menos, 2 semanas antes de iniciar o tratamento com sertralina.
Se está a tomar outro medicamento denominado pimozida (um medicamento
antipsicótico).
Tome especial cuidado com Sertralina Labesfal
Os medicamentos nem sempre são adequados para todas as pessoas. Informe o seu
médico antes de tomar Sertralina Labesfal caso sofra, ou tenha sofrido no passado, de
qualquer uma das seguintes condições:
Síndrome serotoninérgica. Em casos raros, esta síndrome pode ocorrer quando toma
certos medicamentos ao mesmo tempo que a sertralina. (para sintomas, ver 4. Efeitos
secundários possíveis). O seu médico deve tê-lo informado se sofreu desta condição no
passado.
Se tem baixo nível de sódio no sangue, uma vez que pode ser resultado do tratamento
com Sertralina Labesfal. Também deverá informar o seu médico caso esteja a tomar
certos medicamentos para a hipertensão, uma vez que estes medicamentos também
podem alterar os níveis de sódio no sangue.
Tenha especial precaução caso seja idoso uma vez que pode ter um risco aumentado de
ter um baixo nível de sódio no sangue (ver acima).
Doença hepática; o seu médico poderá decidir que deve tomar uma dose mais baixa de
Sertralina Labesfal.
Diabetes; os seus níveis de glicose podem ser alterados devido a Sertralina Labesfal e os
seus medicamentos para a diabetes podem necessitar de ajuste posológico.



Epilepsia ou antecedentes de crises epilépticas. Caso tenha uma crise epiléptica,
contacte o seu médico imediatamente.
Se sofreu de doença maníaca depressiva (doença bipolar) ou esquizofrenia. Caso tenha
um episódio maníaco, contacte o seu médico imediatamente.
Se tem, ou teve anteriormente, pensamentos suicidas (ver abaixo Pensamentos
relacionados com o suicídio e agravamento da sua depressão ou perturbação da
ansiedade).
Se sofre de perturbações hemorrágicas ou se está tomar medicamentos que aumentem a
fluidez do sangue (ex: ácido acetilsalicílico ou varfarina) ou que possam aumentar o
risco de hemorragia.
Se for uma criança ou adolescente com idade inferior a 18 anos. Sertralina Labesfal
deve apenas ser utilizado para tratar crianças e adolescentes com idades entre os 6-17
anos, que sofram de perturbação obsessiva-compulsiva. Se estiver a ser tratado para esta
perturbação, o seu médico irá querer monitorizá-lo de perto (ver Utilização em crianças
e adolescentes abaixo).
Se estiver a fazer terapia electroconvulsiva (TEC).
Acatisia/inquietude:
A utilização de sertralina tem sido associada a acatisia (caracterizada por uma
instabilidade perturbadora e necessidade de agitar, muitas vezes acompanhada por uma
incapacidade de estar ou permanecer quieto). A probabilidade de ocorrência é maior nas
primeiras semanas de tratamento. O aumento da dose pode ser prejudicial nos doentes
que desenvolvem estes sintomas.

Reacções de privação:
As reacções de privação são comuns quando o tratamento é interrompido, sobretudo se
for interrompido abruptamente (ver 4. Efeitos secundários possíveis). O risco de
reacções de privação depende da duração do tratamento, da dose e da taxa de redução da
dose. Em regra tais sintomas são, geralmente, ligeiros a moderados, no entanto, podem
ser graves em alguns doentes. Ocorrem habitualmente nos primeiros dias após a
interrupção do tratamento. De um modo geral, tais sintomas desaparecem em 2
semanas. Em alguns doentes podem durar mais tempo (2-3 meses ou mais). Aquando da
interrupção do tratamento com sertralina, é recomendada a redução gradual da dose
durante um período de algumas semanas ou meses, dependendo das necessidades do
doente.
Pensamentos relacionados com o suicídio e agravamento da sua depressão ou
perturbação da ansiedade:
Se se encontra deprimido e/ou tem perturbações de ansiedade pode, por vezes, pensar
em auto-agredir-se ou suicidar-se. Estes pensamentos podem aumentar no início do
tratamento com antidepressivos, pois estes medicamentos demoram cerca de duas
semanas a fazerem-se sentir mas, por vezes, pode demorar mais tempo.
Poderá estar mais predisposto a ter este tipo de pensamentos nas seguintes situações:
Se tem antecedentes de ter pensamentos sobre suicidar-se ou auto-agredir-se.



Se é um jovem adulto. A informação proveniente de ensaios clínicos revelou um maior
risco de comportamento suicida em indivíduos adultos com menos de 25 anos de idade
com problemas psiquiátricos tratados com antidepressivos.
Se em qualquer momento tiver pensamentos de auto-agressão ou suicídio deverá
contactar o seu médico ou dirigir-se imediatamente ao hospital.
Poderá ser útil para si contar a uma pessoa próxima de si, ou a um familiar, que se
encontra deprimido, ou que tem perturbações de ansiedade, e dar-lhes este folheto a ler.
Poderá também solicitar-lhes que o informem caso verifiquem um agravamento do seu
estado de depressão ou ansiedade, ou se ficarem preocupados com alterações no seu
comportamento.
Utilização em crianças e adolescentes:
A sertralina não deve, normalmente, ser utilizada em crianças e adolescentes com idade
inferior a 18 anos, excepto no caso de doentes com Perturbação Obsessiva-Compulsiva.
Doentes com idade inferior a 18 anos apresentam um risco acrescido de efeitos
indesejáveis tais como, tentativa de suicídio, ideação suicida e hostilidade
(predominantemente agressão, comportamento de oposição e cólera), quando tomam
medicamentos desta classe. Apesar disso, o médico poderá prescrever Sertralina
Labesfal para doentes com idade inferior a 18 anos quando decida que tal é necessário.
Se o seu médico prescreveu Sertralina Labesfal para um doente com menos de 18 anos e
gostaria de discutir esta questão, volte a contactá-lo. Deverá informar o seu médico se
algum dos sintomas acima mencionados se desenvolver ou piorar quando doentes com
menos de 18 anos estejam a tomar Sertralina Labesfal. Não foram ainda demonstrados
os efeitos de segurança de Sertralina Labesfal a longo prazo, no que respeita ao
crescimento, à maturação e ao desenvolvimento cognitivo e comportamental neste
grupo etário.
Ao tomar Sertralina Labesfal com outros medicamentos:
Informe o seu médico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros
medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.
Alguns medicamentos podem afectar o modo como Sertralina Labesfal actua, ou
Sertralina Labesfal pode reduzir a efectividade de outros medicamentos tomados ao
mesmo tempo.
Tomar Sertralina Labesfal com os medicamentos seguintes pode causar efeitos
secundários graves:
Medicamentos denominados inibidores da monoaminoxidase (IMAOs) como a
moclobemida (para tratar a depressão), selegilina (para tratar a doença de Parkinson) e o
antibiótico linezolida. Não utilize Sertralina Labesfal com IMAOs.
Medicamentos para tratar perturbações mentais (pimozida). Não utilize Sertralina
Labesfal com pimozida.

Informe o seu médico se estiver a tomar algum dos medicamentos seguintes:



Produtos medicinais que contenham hipericão (Hipericum perforatum). Os efeitos do
hipericão podem prolongar-se por 1-2 semanas. Fale com o seu médico.
Produtos que contenham o aminoácido triptofano.
Medicamentos para tratar a dor de forte intensidade (por exemplo tramadol).
Medicamentos para tratar enxaquecas (por exemplo sumatriptano).
Medicamentos para diminuir a fluidez do sangue (varfarina).
Medicamentos para o tratamento da dor/artrite (anti-inflamatórios não esteróides
(AINEs) como o ibuprofeno, ácido acetilsalicílico).
Sedativos (diazepam).
Diuréticos.
Medicamentos para tratar a epilepsia (fenitoína).
Medicamentos para tratar a diabetes (tolbutamida).
Medicamentos para tratar o excesso de ácido no estômago e úlceras (cimetidina).
Medicamentos para tratar a mania e depressão (lítio).
Outros medicamentos para tratar a depressão (como amitriptilina, nortriptilina).
Medicamentos para tratar esquizofrenia e outras perturbações mentais (como
perfenazina, levomepromazina e olanzapina).

Ao tomar Sertralina Labesfal com alimentos e bebidas
Sertralina Labesfal comprimidos pode ser tomado com ou sem alimentos.

Deve ser evitado o álcool enquanto estiver a tomar Sertralina Labesfal.
Gravidez e aleitamento:
Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento.
Fale com o seu médico assim que possível se está grávida, pensa que está grávida ou
planeia engravidar.
A segurança da sertralina não foi estabelecida na mulher grávida. A sertralina apenas
deve ser utilizada por mulheres grávidas caso o médico considere que o benefício para a
mãe exceda quaisquer riscos possíveis para o feto. As mulheres em idade fértil deverão
utilizar um método contraceptivo adequado se forem medicadas com sertralina.
Certifique-se que o seu médico e/ou o pessoal de enfermagem sabem que está a tomar
sertralina. Quando tomados durante a gravidez, especialmente nos últimos 3 meses de
gravidez, fármacos como Sertralina Labesfal podem aumentar o risco de uma situação
grave nos bebés chamada hipertensão pulmonar persistente no recém-nascido (HPPN),
que faz com que o bebé respire mais rapidamente e que pareça azulado. Estes sintomas
começam habitualmente durante as primeiras 24 horas após o nascimento. Se isto
acontecer ao seu bebé deverá contactar o seu médico e/ou o pessoal de enfermagem
imediatamente.



Existe evidência de que a sertralina é excretada no leite materno. A sertralina apenas
deve ser utilizada por mulheres a amamentar caso o médico considere que o benefício
para a mãe exceda quaisquer riscos possíveis para o bebé.
Condução de veículos e utilização de máquinas:
Os fármacos psicotrópicos como a sertralina podem influenciar a sua capacidade para
conduzir veículos e utilizar máquinas. Portanto, não deve conduzir veículos ou utilizar
máquinas até que saiba como esta medicação afecta a sua capacidade para desempenhar
estas actividades.
Informações importantes sobre alguns componentes de Sertralina Labesfal:
Este medicamento contém lactose mono-hidratada.Se foi informado pelo seu médico
que tem intolerância a alguns açúcares, contacte-o antes de tomareste medicamento.

3.COMO TOMAR Sertralina Labesfal
Tomar Sertralina Labesfal sempre de acordo com as indicações do médico.
Sertralina Labesfal comprimidos pode ser tomado com ou sem alimentos.

Tome o seu medicamento uma vez ao dia, de manhã ou à noite.
Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.

Dose habitual
Adultos:
Depressão e Perturbação Obsessiva-Compulsiva:
A dose de 50 mg/dia é normalmente eficaz na depressão e POC. A dose diária pode ser
aumentada em incrementos de 50 mg durante, no mínimo uma semana, a um período
de algumas semanas. A dose máxima recomendada é de 200 mg/dia.
Perturbação de pânico, Perturbação de Ansiedade Social e Perturbação de Stress Pós-
Traumático:
Na perturbação de pânico, perturbação de ansiedade social e perturbação de stress pós-
traumático, o tratamento deve ser iniciado com a dose de 25 mg/dia e, após uma
semana, aumentado para 50 mg/dia.
A dose diária pode ser aumentada em incrementos de 50 mg durante um período de
algumas semanas. A dose máxima recomendada é de 200 mg/dia.
Crianças e adolescentes:
Sertralina Labesfal deve apenas ser utilizado para tratar crianças e adolescentes que
sofram de POC com idade compreendida entre 6-17 anos.
Perturbação Obsessiva-Compulsiva:



Crianças entre 6 e 12 anos de idade: a dose inicial recomendada é de 25 mg/dia.
Após uma semana, o seu médico pode aumentar a dose para 50 mg/dia. A dose máxima
é 200 mg/dia.
Adolescentes entre 13 e 17 anos de idade: a dose inicial recomendada é de 50 mg/dia.
A dose máxima é 200 mg/dia.
Caso tenha problemas de fígado ou rins, informe o seu médico e siga os seus conselhos.
O seu médico irá dizer-lhe durante quanto tempo deverá tomar esta medicação. Isto
dependerá da natureza da sua doença e do modo como responde ao tratamento. Poderão
decorrer várias semanas até que os seus sintomas comecem a melhorar.

Se tomar mais Sertralina Labesfal do que deveria:
Se tomar demasiado acidentalmente, contacte o seu médico imediatamente ou dirija-se
à urgência hospitalar mais próxima. Leve a embalagem do medicamento consigo, quer
ainda tenha medicamento ou não.
Os sintomas de sobredosagem podem incluir sonolência, náuseas e vómitos, aceleração
dos batimentos cardíacos, tremores, agitação, tonturas e, em casos raros, inconsciência.
Caso se tenha esquecido de tomar Sertralina Labesfal:
Caso se tenha esquecido de tomar um comprido, não tome o comprimido esquecido.
Tome o próximo comprimido na hora habitual.
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Se parar de tomar Sertralina Labesfal:
Não pare de tomar Sertralina Labesfal a menos que o seu médico o indique. O seu
médico irá querer reduzir a sua dose de Sertralina Labesfal durante várias semanas antes
de interromper a toma deste medicamento. Se interromper abruptamente a toma deste
medicamento pode sofrer efeitos indesejáveis como tonturas, dormência, perturbações
do sono, agitação ou ansiedade, dor de cabeça, enjoos, indisposição e tremores. Se sentir
algum destes efeitos secundários, ou quaisquer outros efeitos secundários enquanto
interrompe a toma de Sertralina Labesfal, fale com o seu médico.
Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médico
ou farmacêutico.

4.EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSIVEIS
Como todos os medicamentos, Sertralina Labesfal pode causar efeitos secundários, no
entanto estes não se manifestam em todas as pessoas.
Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários
não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.




O efeito secundário mais frequente é a náusea. Os efeitos secundários dependem da
dose e são normalmente transitórios com a continuação do tratamento.
Informe o seu médico imediatamente:
Se sentir algum dos sintomas seguintes após a toma deste medicamento. Estes sintomas
podem ser graves.
Se desenvolver uma reacção cutânea grave que cause bolhas (eritema multiforme), (isto
pode afectar a boca e a língua). Estes podem ser sinais de uma situação conhecida como
síndrome de Stevens-Johnson, ou Necrólise Epidérmica Tóxica (NET). O seu médico
irá parar o seu tratamento nestes casos.
Reacção alérgica ou alergia, que podem incluir sintomas como uma erupção cutânea
com comichão, dificuldade em respirar, pieira, inchaço das pálpebras, cara ou lábios.
Se sentir agitação, confusão, diarreia, temperatura e tensão altas, transpiração excessiva
e batimentos cardíacos acelerados. Estes são sintomas da Síndrome Serotoninérgica. Em
casos raros, esta síndrome pode ocorrer enquanto estiver a tomar certos medicamentos
ao mesmo tempo que a sertralina. O seu médico pode querer parar o seu tratamento.
Se desenvolver olhos e pele amarelos, o que pode significar danos no fígado.
Se sentir sintomas depressivos com ideias suicidas.
Se começar a ter sentimentos de inquietação e não se sentir capaz de sentar ou
permanecer quieto após a toma de Sertralina Labesfal. Deve informar o seu médico se
começar a sentir-se inquieto.

Os efeitos secundários seguintes foram observados em ensaios clínicos realizados com
adultos.
Efeitos secundários muito frequentes (ocorrem em mais de 1 em cada 10 doentes)
Insónia, tonturas, sonolência, dor de cabeça, diarreia, enjoo, boca seca, falência
ejaculatória, fadiga.
Efeitos secundários frequentes (ocorrem entre 1 a 10 em cada 100 doentes):
Dor de garganta, anorexia, aumento do apetite, depressão, sensação estranha, pesadelos,
ansiedade, agitação, nervosismo, diminuição do interesse sexual, ranger os dentes,
dormência e formigueiro, tremor, tensão muscular, alteração do paladar, falta de
atenção, perturbações visuais, zumbido nos ouvidos, palpitações, afrontamentos, bocejo,
dores abdominais, vómitos, prisão de ventre, mal-estar do estômago, gases, erupção
cutânea, aumento da transpiração, dor muscular, disfunção sexual, disfunção eréctil, dor
no tórax.
Efeitos secundários pouco frequentes (ocorrem entre 1 a 10 em cada 1000 doentes)
Resfriado, corrimento nasal, alucinações, sentimento de felicidade, falta de cuidados,
pensamentos anómalos, convulsões, contracções musculares involuntárias, alteração da
coordenação, movimentos excessivos, amnésia, diminuição da sensação, desordem do
discurso, tonturas ao levantar, enxaqueca, dor no ouvido, batimentos cardíacos
acelerados, tensão alta, rubor, dificuldades respiratórias, possíveis sibilos, falta de ar,
sangramento do nariz, problemas no esófago, dificuldade em engolir, hemorróidas,



aumento da salivação, alterações na língua, arrotos, inchaço dos olhos, manchas roxas
na pele, perda de cabelo, suores frios, pele seca, urticária, osteoartrite, fraqueza
muscular, dor de costas, espasmos musculares, necessidade de urinar durante a noite,
incapacidade de urinar, aumento da micção, aumento da frequência de urinar, problemas
a urinar, hemorragia vaginal, disfunção sexual feminina, mal-estar, arrepios, febre,
fraqueza, sede, diminuição do peso, aumento do peso.

Efeitos secundários raros (ocorrem entre 1 a 10 em cada 10000 doentes)
Problemas intestinais, infecção no ouvido, cancro, glândulas inchadas, níveis elevados
de colesterol, baixo nível de açúcar no sangue, sintomas físicos devidos a stress ou
emoções, dependência de substâncias, perturbação psicótica, agressividade, paranóia,
pensamentos suicidas, sonambulismo, ejaculação precoce, coma, movimentos alterados,
dificuldades na movimentação, aumento da sensibilidade, perturbações sensoriais,
glaucoma, problemas lacrimais, manchas nos campos visuais, visão dupla, dor nos olhos
provocada pela luz, sangue no olho, pupilas dilatadas, ataque cardíaco, batimentos
cardíacos lentos, problemas cardíacos, má circulação sanguínea nos braços e pernas,
aperto na garganta, respiração rápida, respiração lenta, dificuldade em falar, soluços,
sangue nas fezes, feridas na boca, ulceração da língua, afecções nos dentes, afecções na
língua, ulceração da boca, alterações da função hepática, problemas da pele como
bolhas, erupção folicular, alteração da textura do cabelo, alteração do odor da pele,
problemas ósseos, diminuição da micção, incontinência urinária, hesitação urinária,
sangramento vaginal excessivo, secura vaginal, inchaço e vermelhidão do pénis e do
prepúcio, corrimento genital, erecção prolongada, corrimento mamário, hérnia, cicatriz
no local de injecção, tolerância ao fármaco diminuída, dificuldades na marcha,
alterações dos testes laboratoriais, alteração do sémen, lesões, procedimento de
relaxamento dos vasos sanguíneos.
Após a comercialização da sertralina, foram comunicados os seguintes efeitos
secundários:
Diminuição dos glóbulos brancos, diminuição das plaquetas, níveis baixos de hormonas
da tiróide, problemas endócrinos, baixos níveis de sal no sangue, pesadelos,
comportamento suicida, problemas nos movimentos musculares (como excesso de
movimentos, músculos tensos e dificuldade em caminhar), desmaios, alteração da visão,
problemas hemorrágicos (como sangramento no nariz, hemorragia no estômago ou
sangue na urina), pancreatite, problemas graves na função hepática, icterícia, edema da
pele, reacção da pele ao sol, comichão, dor nas articulações, cãibras musculares,
aumento mamário, irregularidades menstruais, inchaço nas pernas, problemas de
coagulação e reacção alérgica grave.
Foi observado um risco aumentado de fracturas ósseas em doentes a tomar este tipo de
medicamentos.
Efeitos secundários em crianças e adolescentes



Em ensaios clínicos com crianças e adolescentes, os efeitos secundários foram
geralmente semelhantes aos adultos (ver acima). Os efeitos secundários mais comuns
em crianças e adolescentes foram dor de cabeça, insónia, diarreia e indisposição.

5. COMO CONSERVAR Sertralina Labesfal
O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação.
Conservar o medicamento na embalagem original.
Manter fora do alcance e da vista das crianças.
Não utilize Sertralina Labesfal após o prazo de validade impresso na embalagem
exterior. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.
Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico.
Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita.
Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente.

6.OUTRAS INFORMAÇÕES
Qual a composição de Sertralina Labesfal
A substância activa é a sertralina. Cada comprimido revestido por película contém
cloridrato de sertralina equivalente a 50 mg ou 100 mg de sertralina.
Os outros componentes são:
Excipientes do núcleo:
Celulose microcristalina;
Copovidona;
Croscarmelose sódica;
Estearato de magnésio;
Lactose mono-hidratada;
Sílica coloidal anidra.
Excipientes do revestimento (Opadry):
Dióxido de titânio (E171);
Hidroxipropilcelulose;
Hipromelose 3 cps;
Hipromelose 50 cps;
Macrogol 400.

Qual o aspecto de Sertralina Labesfal e conteúdo da embalagem




Sertralina Labesfal 50 mg: embalagens com blisters com 14, 28 ou 56 comprimidos
revestidos por película.
Sertralina Labesfal 100 mg: embalagens com blisters com 14, 28 ou 56 comprimidos
revestidos por película.
É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

Titular da Autorização de Introdução no Mercado

LABESFAL – Laboratórios Almiro, S.A.
Zona Industrial do Lagedo
3465-157 Santiago de Besteiros
Portugal
Fabricantes:
LABESFAL – Laboratórios Almiro, S.A.
Zona Industrial do Lagedo
3465-157 Santiago de Besteiros
Portugal
e
Atlantic Pharma Produções Farmacêuticas S.A..
Zona Industrial da Abrunheira
Rua da Tapada Grande, 2
Sintra
Para quaisquer informações sobre este medicamento, queira contactar o Titular de
Autorização de Introdução no Mercado.
Este folheto foi aprovado pela última vez em