ALLIUM CEPA

Para que serve folheto informativo, informação para o utilizador

Folheto / Bula do Medicamento


Recomendações

  • Sempre verifique que não é alérgica a nenhum dos componentes
  • Lembre-se, sempre verifique com seu médico, a informação que nós oferecemos é indicativa e não de forma alguma substituir a de seu médico ou outro profissional de saúde.



CALCAREA CARBONICA


Sinonímia homeopática. Calcarea ostreica, Calcarea carbonica Hahnemanni, Calcarea ostre-
arum, Calcii carbonas ostrearum.

DESCRIÇÃO

A droga é constituída pela parte intermédia da concha da ostra (Ostrae edulis L.), da qual se
obtém, após limpeza para remoção de aderências à concha, a mesma é seca até peso constante
e transformada em pó.

Caracteres físico-químicos. O pó obtido a partir da concha da ostra é branco, microcristali-
no, inodoro, insípido, sendo constituído por cerca de 85% de carbonato de cálcio. Além do
cálcio, sob a forma de carbonato, a concha da ostra apresenta também traços de cloreto, de
fosfatos e de magnésio.

Solubilidade. É praticamente insolúvel em água e em etanol, é solúvel em ácidos, com os
quais reage desprendendo dióxido de carbono.

Incompatibilidades. Ácidos, sais ácidos.

IDENTIFICAÇÃO

O carbonato de cálcio da concha da ostra responde às reações características de cálcio e de
carbonato (V.3.1.1) F. Bras. IV.

ENSAIOS DE PUREZA

Perda por dessecação. 1 g da droga, finamente dividida, seca em estufa entre 100-105 oC, até
peso constante, não deve perder mais de 3% (p/p) em relação ao peso inicial.

Cromatografia em camada delgada. Empregar camada delgada de celulose microcristalina.
Desenvolver a cromatografia empregando como fase móvel a mistura de metanol-ácido acéti-
co-água (8:1:1). Para aplicação da amostra, submeter 0,1 g de droga a tratamento prévio com
solução ácida formada por 5 ml de água purificada e 0,2 ml de ácido nítrico a 10% (V/V).
Aplicar 3 ?l da solução assim obtida. Como soluções -padrão, aplicar espaçadamente, 1 ?l de
solução de cloreto de cálcio a 0,1% (p/V) e de solução de sulfato de magnésio a 1% (p/V),
deixando entre as aplicações espaço mínimo de 1,5 cm. Desenvolver a cromatografia por per-
curso de 10 cm. Deixar a placa secar ao ar. Nebulizar a placa com solução de alizarina a
0,1% (p/V), submetendo-a, em seguida, a vapores de hidróxido de amônio. Aparecem, no
cromatograma, referente à solução em análise, duas manchas, respectivamente de cor violácea
intensa e Rf 0,79, correspondente àquela obtida com a solução-padrão de cálcio e outra, viole-
ta-clara, com Rf 0,90, correspondente àquela obtida com a solução-padrão de magnésio.

DOSEAMENTO

Pesar 200 mg da droga finamente dividida e previamente seca a 200 oC por 4 horas. Transferir
a mesma para um béquer de 250 ml. Umedecer o sólido com alguns ml de água purificada.
Adicionar, gota a gota, ácido clorídrico 3 M em quantidade suficiente para dissolução comple-

ta da amostra. Adicionar 100 ml de água purificada, 15 ml de solução de hidróxido de sódio
SR e 300 mg de hidroxi-naftol azul. Titular a mistura com EDTA (sal dissódico de etileno-
diamino-tetracético) 0,05 M até a solução adquirir coloração azul. Cada ml de EDTA 0,05 M
consumido equivale a 5,004 mg de carbonato de cálcio.

CONSERVAÇÃO

Em frasco de vidro neutro, âmbar, hermeticamente fechado, ao abrigo da luz e do calor.

FORMA DERIVADA

Ponto de partida. Calcarea carbônica.

Insumo inerte. Lactose nas três primeiras centesimais e seis primeiras decimais; etanol em
várias concentrações para as seguintes.

Método. Hahnemanniano (XI.I), Korsakoviano (XI.II), Fluxo Contínuo (XI.III); Farmacopéia
Homeopática Brasileira II, 1997.

Dispensação. A partir de 1 DH trit ou 1 CH trit.

Conservação. Conservar em frasco neutro, âmbar, bem fechado.

Document Outline CALCAREA CARBONICA